Acompanhando o Mercado

A mediação e arbitragem no mercado de arte

                                         João Carlos Lopes dos Santos

Afinal, o que é juízo arbitral?

     Já há algum tempo, venho fazendo mediação e arbitragem de uma forma bem pessoal e sem nenhum tipo de problemas em partilhas, causa mortis ou inter vivos, e em litígios envolvendo obras de arte. Agora, o assunto tem vindo mais à baila. Que não se confunda mediação e arbitragem com perícia extrajudicial ou judicial - o que também tenho feito -, posto que se trate de coisas bem diferentes.

     A Lei 9.307, de 23/9/1996, dispõe sobre mediação e arbitragem. Trata-se de uma justiça privada – portanto, não estatal – com o respaldo da sobredita lei. Determina que as pessoas capazes de contratar possam valer-se da arbitragem para dirimir seus litígios relativos a direitos patrimoniais disponíveis, mormente, em cobranças e pendências derivadas de contratos.

Justiça rápida e discreta

     Com a adoção do sistema arbitral, o que poderia levar vários anos na justiça estatal, poderá ser resolvido de maneira muito rápida, no máximo em seis meses.

     Além dos favores da rapidez, dirimindo da forma arbitral o litígio, tem-se a vantagem da discrição, pois tudo é resolvido de forma bem reservada, já que, legalmente, não há a necessidade de se fazer a divulgação dos atos processuais, como ocorre na via processual estatal.

Um só árbitro ou até um pequeno tribunal

     Infelizmente, por desconhecimento do público, de vez que não se vem dando muita divulgação, essa possibilidade de distribuição de justiça para a pacificação dos conflitos de interesse, considerada uma das mais avançadas da legislação brasileira, vem sendo muito pouco utilizada.

     Pode ser árbitro ou mediador qualquer pessoa capaz para os atos da vida civil. Basta que, tão-somente, a critério das partes envolvidas, tal pessoa tenha reputação ilibada e conhecimento de causa para fazer uma mediação imparcial e correta. Como se vê, o pré-requisito fundamental é a confiança.

     As partes podem nomear um ou mais árbitros, mas sempre em número ímpar. O árbitro - ou o tribunal arbitral -, após o decurso da arbitragem, apresentará um relatório, que será transformado em sentença arbitral, para a qual, também por força do diploma legal mencionado, se excluiu a possibilidade de se interpor quaisquer recursos.

     A arbitragem é precedida da assinatura de um contrato entre as partes em confronto, onde estas convencionam as regras da arbitragem. Essa convenção de arbitragem pode ser firmada antes ou depois de os conflitos de interesses se concretizarem: pela cláusula compromissória, acordada pelas partes antes da controvérsia ou pelo compromisso arbitral, que é uma convenção a posteriori, quando já se instalou o litígio.

Oportunidade a marchands e antiquários

     Na minha trajetória profissional como marchand e consultor de mercado de arte e autoral, há anos e em várias oportunidades, tenho servido de mediador em inventários inter vivos – nas separações judiciais de casais e de sociedades – e causa mortis, com muito aproveitamento de tempo e dinheiro para as partes envolvidas, muitas vezes já antagonizadas.

     Como já acontece nas perícias judiciais, essa é mais uma oportunidade para marchands e antiquários, que tenham credibilidade junto aos seus clientes, dirimirem dúvidas suscitadas em assuntos que versem sobre matéria pertinente ao mercado de arte.

     Para atuar como mediador ou árbitro não é necessário estar filiado a nenhuma entidade ou tribunal arbitral. Como já foi dito, está previsto na Lei 9307/96, em seu Artigo 13: "Pode ser árbitro qualquer pessoa capaz e que tenha a confiança das partes".

    Entretanto, é de todo recomendável que os profissionais autônomos, que atuem como mediadores e árbitros, filiem-se a entidades sérias e de reputação ilibada, já que, via de regra, as partes sempre procuram por uma delas quando se instala o conflito de interesses, com o intuito de solicitar que lhes recomende um árbitro. Além disso, essas entidades arbitrais costumam promover cursos para a formação, atualização e aprimoramento dos árbitros e mediadores.

     Em havendo interesse pelo assunto, consulte o sobredito diploma legal e a entidade arbitral de sua cidade.

 

Telefones e outras informações - clique aqui

VOLTAR

Outros Artigos:

Sem jogo de cintura...

Por que os honorários periciais são considerados elevados?

A filosofia das minhas fases periciais

Como consolidar sua carreira no mercado de arte.

Como se pode perceber que uma pintura é falsa?

Em síntese, o que a legislação autoral visa proteger.

Por que as obras de arte estrangeiras antigas são tidas como atribuídas?

O tempo de maturação de um laudo pericial

Arte contemporânea: afinal, o que é isso?

O mercado de arte em tempos de conflito

Primeiros passos no mercado de arte

Aos artistas plásticos iniciantes

Curso para Marchands

Onde posso registrar uma obra artística de minha autoria?

Releitura, plágio e falsificação

E o dia do Artista Plástico?

O que fazer para evitar falsificações

Investir em arte - quanto, quando e como

O que é uma telenovela?

O mural ‘Guerra e Paz’ está de volta.

Por que sou contra o 'Direito de Sequência'

Perícia judicial sobre obras de arte

Como vai o Mercado de Arte?

O que Ú prešo de mercado ?

Como revitalizar o mercado?

A liquidez das obras de arte

O mercado de arte realmente existe no Brasil?

O perfeito relacionamento com o mercado

Reflexões sobre as tabelas dos artistas

Curso para formação de marchands

Consolidando o mercado de arte

O que posso fazer pelo mercado de arte?

E o mercado de arte ga˙cho?

Marchand - uma definição simples e objetiva

Convivendo com os leilões de arte

Se todos gostassem do amarelo

Um leilão de arte em Fortaleza

Pode-se realmente investir no mercado de arte?

Preconceito nas artes plásticas

Que obras de arte devo comprar? De que artistas plásticos?

Um programa Legal

No Ar, a Rádio Cotonete

Pré-requisitos para a Profissão de Marchand

O que é consultoria de mercado de arte?

A mediação e arbitragem no mercado de arte

Em que devo investir?